Erros mais Comuns em fotografias – Evite-os

Erros mais Comuns em fotografias – Evite-os

setembro 8, 2018 0 Por Klarck Lansing

Errar no inicio é normal, é ordinário. Faz parte do amadurecimento. Mas, evitar esses erros pode ser EXTRAORDINÁRIO!

Quando eu comecei, errei muito. Foram erros atrás de erros, e talvez se tivesse acertado não chegaria onde cheguei hoje.

Errar faz parte da nossa trajetória. Todas as histórias de sucesso (Steve Jobs, Mark Zuckerberg, Elon Musk) tem fracassos e derrotas no começo. Normal. Triste, mas normal.

Por isso, copilei meus 7 piores erros em 8 dicas incríveis!

 

Erro #1 – Comprar equipamentos que não precisava

Esse erro é clássico. Muitos cometem esse equívoco, e eu não me escapei.

Lembro de uma vez que comprei um grip para uma câmera, só que na verdade eu nem precisava e acabei nunca usando.

Erros de comprar equipamentos desnecessarios

É normal o pessoal comprar coisas que acham bonitas, mas não precisam. Ou dizem que é necessário, mas não sabe o motivo.

Esse dinheiro é mal investido, e vai fazer falta la na frente.

 

Erro #2 – Fazer pouco Marketing, ou Marketing Errado

Divulgar seu trabalho como fotógrafo é essencial. Mas, por incrível que pareça, muita gente não faz isso.

Eu sempre tive a consciência de que é importante fazer Marketing. Mas eu fiz, por muito tempo, de um modo errado.

A primeira dica que dou, é gastar dinheiro. Não adianta querer fazer Marketing sem gastar, ou tentar economizar.

Tenho o conceito que tráfego se compra. Por isso, sugiro você entender melhor sobre o funil de vendas.

A segunda dica tem a ver com a qualidade do Marketing – faça conteúdo. Treine e ensine seu público, mostre porque é importante!

Erros de não fazer marketing

 

Erro #3 – Fotografar pouco

Um segredo essencial: treinar descaradamente.

Quando comecei pensava que tinha que fotografar só quando fosse contratado, mas isso limitava minha evolução.

E, mesmo quando ia fotografar, acabava fazendo poucas fotos. Fazer 200 ou 300 fotos num ensaio é muito pouco. Assim, você vai demorar para evoluir.

 

Outros assuntos que podem te interessar:

 

Lembra que Cartier-Bresson dizia que suas dez mil primeiras fotos são as piores? Quanto tempo você vai levar para fazer essas dez mil? E cem mil?

Quanto mais fotografar, mais rápido vai evoluir.

 

Erro #4 – Não investir dinheiro

Muitos não entendem o que vou dizer agora (inclusive, eu demorei anos para assimilar isso)

 

Um empresário precisa investir dinheiro em sua empresa

 

Claro, no geral começamos a empresa de fotografia com uma ou duas pessoas. Mesmo assim, é uma empresa.

Divida seu orçamento em Equipamentos, Conhecimento, Marketing e Infraestrutura. Priorize, no começo, o conhecimento.

Colocar dinheiro na frente, é importante. Mas veja bem: colocar dinheiro em sua empresa. Muitos investem 85% do seu orçamento em equipamentos – algo que não traz um retorno definido. Em cinco anos de profissão, jamais fui contratado ou perdi uma venda por meus equipamentos. Mas minha gestão, meu Marketing, meu atendimento, minha infraestrutura e o que eu entrego (capacitado por possuir conhecimento), isso sim fez – e muita – diferença.

 

Erro #5 – Não ter uma rede de Networking

Até hoje, essa é uma das minhas maiores dificuldades.

Conhecer pessoas que conhecem pessoas. Isso é Networking. Numa tradução livre, uma rede de trabalho, é aquela que somos amigos e temos amigos dentro do ramo empresarial.

Não estou falando de tomar cerveja ou comer churrasco com seus clientes e/ou fornecedores.

 

 

Falando em Networking, entra para o meu:

 

 

Mas sim, conhecer seus concorrentes, ter estima por seus fornecedores e saber quem são os fornecedores de seus concorrentes.

Conhecer quem faz o que, na sua área e em outras. Você fotógrafo: tem uma rede de parceria (seja apenas para indicação) de videomakkers, cerimonialistas, decoradores, iluminadores, maquiadoras ou aluguel de espaço para gravações?

 

Erros de não fazer networks

 

As vezes, mesmo que isso não esteja diretamente ligado a sua profissão, pode fazer a diferença ao oferecer (e assumir) um projeto maior!

 

Erro #6 – Ter inspiração pontual

Esse erro é muito comum: sou fotógrafo de casamentos, por isso vou olhar apenas fotos de casamentos para me inspirar. Assim, você acaba se tornando um imitador e não um criador.

Se inspire em outras áreas. Fotografias do outro canto do mundo é facilmente achada com as redes sociais e internet hoje.

 

Pergunte-se:

  • O que eu posso aprender sobre iluminação com desenhistas e pintores?
  • Como posso replicar certas poses de esculturas famosas?
  • Como a música que ouço influência minha fotografia?
  • Quais ângulos de câmera posso imitar do último filme que vi?
  • Qual revista de moda, gastronomia, veículos, viagens e artesanato podem me inspirar?
  • Quais os 10 melhores arquitetos eu conheço?

 

Uma forte ferramenta para gerar novas inspiração é o Pinterest. Lá, você pode ver novidades e tendências, como um baú de ideias.

Utilize outros segmentos da fotografia para se inspirar.
Aprenda de outros assuntos (como pintura, música, arquitetura e belas artes) e traga isso para sua fotografia – e principalmente para sua vida!

 

Erro #7 – Não fazer planilhas

Isso pode até parecer bizarro, mas um bom fotógrafo faz planilhas, sejam no papel ou digital. Elas podem ser feitas no Excel, no Numbers ou no Google Docs. Eu prefiro o último.

Isso porque eu estou pressupondo que você é um empreendedor, um profissional liberal. Muitos acham que, por ser “liberal”, posso fazer de qualquer jeitos. Mas metrificar é importante, e eu demorei uns 5 anos para entender isso.

 

Erros de não fazer planilhas

Por exemplo, como você vai saber se sua empresa está em ascensão ou queda? Qual foi o melhor mês do ano? Esse ano foi melhor que o último? Isso tudo é importante para se organizar.

Muitos dizem : “Ahhhh mas eu estou apenas no começo!” Então agora é a melhor hora de começar a criar planilhas de custos, de orçamentos x conversões (ou seja, quantos orçamentos você recebe por dia/semana/mês/ano e quantos convertem – fecham contrato com você)

 

Dica #8 – Vá em Congressos de Fotografia

Esse último acho que é mais uma dica mesmo que um erro, porque eu sempre tive – desde o início – o conceito da importância de investir em conhecimento.

Por exemplo, fiz muitos Workshops Presenciais e Cursos On-line (assim consegui obter a parte técnica com maestria).

A vantagem dos Workshops Presenciais é que você vê, na prática, todo o processo criativo da pessoa. Sentimos o “clima” do Estúdio, de onde ela mora, e muitas vezes acabamos tendo a oportunidade de fazer um happy hour – onde surgem novas redes de Networking e Insights. Isso dá um rumo muito bom no começo, e me ajudou muito a fazer ajustes finos depois de um tempo. Pode ser perigoso, pois temos a tendência de copiar.

Erros de não ir em congressos

Meu amigo, Nei Bernardes, palestrando no Wedding Brasil 2018

Já os Cursos On-line são os mais vantajosos, pois tem um valor baixo e você pode ver e rever várias vezes, fazer perguntas, participar de um grupo muito maior de alunos. Também, é possível aprender no seu próprio ritmo e horários – o que eventos presenciais não permitem. Assistir aulas em casa sempre é mais confortável. Para isso, recomendo este curso aqui!

Mas Klarck, não ia falar sobre congresso de fotografia?

Calma, vou chegar lá!

Enquanto os cursos servem para te ensinar a parte técnica (equipamentos, lentes, truques) os congressos servem para te inspirar (dar novas ideias, trocar contatos)

Então, se você está começando, faça cursos. Se já tem experiência, vá em congressos.

Vou te falar alguns dos mais conhecidos, não fui em todos ainda, então não tem como qualificar cada um.  Mas são alguns congressos importantes no País

  • Wedding Brasil
  • Photoweek
  • Fotoconhecimento
  • PIC
  • FHOX on the road
  • Alasul
  • Parati em foco
  • Lume Newborn
  • Congresso Capixaba de Fotografia
  • Newborn Lovers

 

E aí, gostou do conteúdo? Não esquece de deixar seu comentário ali embaixo!