Erros mais Comuns em fotografias – Evite-os

Quando começamos, é natural errar. Grandes nomes como Jobs, Zuckerberg e Musk erraram em seus começos. Mas, o segredo está em aprender se seus erros. Copilei sete dos meus maiores pecados empresariais em oito dicas super úteis!

Errar no inicio é normal, é ordinário. Faz parte do amadurecimento. Mas, evitar esses erros pode ser EXTRAORDINÁRIO!

Quando eu comecei, errei muito. Foram erros atrás de erros, e talvez se tivesse acertado não chegaria onde cheguei hoje.

Errar faz parte da nossa trajetória. Todas as histórias de sucesso (Steve Jobs, Mark Zuckerberg, Elon Musk) tem fracassos e derrotas no começo. Normal. Triste, mas normal.

Por isso, copilei meus 7 piores erros em 8 dicas incríveis!

 

Erro #1 – Comprar equipamentos que não precisava

Esse erro é clássico. Muitos cometem esse equívoco, e eu não me escapei.

Lembro de uma vez que comprei um grip para uma câmera, só que na verdade eu nem precisava e acabei nunca usando.

Erros de comprar equipamentos desnecessarios

É normal o pessoal comprar coisas que acham bonitas, mas não precisam. Ou dizem que é necessário, mas não sabe o motivo.

Esse dinheiro é mal investido, e vai fazer falta la na frente.

 

Erro #2 – Fazer pouco Marketing, ou Marketing Errado

Divulgar seu trabalho como fotógrafo é essencial. Mas, por incrível que pareça, muita gente não faz isso.

Eu sempre tive a consciência de que é importante fazer Marketing. Mas eu fiz, por muito tempo, de um modo errado.

A primeira dica que dou, é gastar dinheiro. Não adianta querer fazer Marketing sem gastar, ou tentar economizar.

Tenho o conceito que tráfego se compra. Por isso, sugiro você entender melhor sobre o funil de vendas.

A segunda dica tem a ver com a qualidade do Marketing – faça conteúdo. Treine e ensine seu público, mostre porque é importante!

Erros de não fazer marketing

 

Erro #3 – Fotografar pouco

Um segredo essencial: treinar descaradamente.

Quando comecei pensava que tinha que fotografar só quando fosse contratado, mas isso limitava minha evolução.

E, mesmo quando ia fotografar, acabava fazendo poucas fotos. Fazer 200 ou 300 fotos num ensaio é muito pouco. Assim, você vai demorar para evoluir.

 

Outros assuntos que podem te interessar:

 

Lembra que Cartier-Bresson dizia que suas dez mil primeiras fotos são as piores? Quanto tempo você vai levar para fazer essas dez mil? E cem mil?

Quanto mais fotografar, mais rápido vai evoluir.

 

Erro #4 – Não investir dinheiro

Muitos não entendem o que vou dizer agora (inclusive, eu demorei anos para assimilar isso)

 

Um empresário precisa investir dinheiro em sua empresa

 

Claro, no geral começamos a empresa de fotografia com uma ou duas pessoas. Mesmo assim, é uma empresa.

Divida seu orçamento em Equipamentos, Conhecimento, Marketing e Infraestrutura. Priorize, no começo, o conhecimento.

Colocar dinheiro na frente, é importante. Mas veja bem: colocar dinheiro em sua empresa. Muitos investem 85% do seu orçamento em equipamentos – algo que não traz um retorno definido. Em cinco anos de profissão, jamais fui contratado ou perdi uma venda por meus equipamentos. Mas minha gestão, meu Marketing, meu atendimento, minha infraestrutura e o que eu entrego (capacitado por possuir conhecimento), isso sim fez – e muita – diferença.

 

Erro #5 – Não ter uma rede de Networking

Até hoje, essa é uma das minhas maiores dificuldades.

Conhecer pessoas que conhecem pessoas. Isso é Networking. Numa tradução livre, uma rede de trabalho, é aquela que somos amigos e temos amigos dentro do ramo empresarial.

Não estou falando de tomar cerveja ou comer churrasco com seus clientes e/ou fornecedores.

 

 

Falando em Networking, entra para o meu:

[mc4wp_form id=”1058″]

 

 

Mas sim, conhecer seus concorrentes, ter estima por seus fornecedores e saber quem são os fornecedores de seus concorrentes.

Conhecer quem faz o que, na sua área e em outras. Você fotógrafo: tem uma rede de parceria (seja apenas para indicação) de videomakkers, cerimonialistas, decoradores, iluminadores, maquiadoras ou aluguel de espaço para gravações?

 

Erros de não fazer networks

 

As vezes, mesmo que isso não esteja diretamente ligado a sua profissão, pode fazer a diferença ao oferecer (e assumir) um projeto maior!

 

Erro #6 – Ter inspiração pontual

Esse erro é muito comum: sou fotógrafo de casamentos, por isso vou olhar apenas fotos de casamentos para me inspirar. Assim, você acaba se tornando um imitador e não um criador.

Se inspire em outras áreas. Fotografias do outro canto do mundo é facilmente achada com as redes sociais e internet hoje.

 

Pergunte-se:

  • O que eu posso aprender sobre iluminação com desenhistas e pintores?
  • Como posso replicar certas poses de esculturas famosas?
  • Como a música que ouço influência minha fotografia?
  • Quais ângulos de câmera posso imitar do último filme que vi?
  • Qual revista de moda, gastronomia, veículos, viagens e artesanato podem me inspirar?
  • Quais os 10 melhores arquitetos eu conheço?

 

Uma forte ferramenta para gerar novas inspiração é o Pinterest. Lá, você pode ver novidades e tendências, como um baú de ideias.

Utilize outros segmentos da fotografia para se inspirar.
Aprenda de outros assuntos (como pintura, música, arquitetura e belas artes) e traga isso para sua fotografia – e principalmente para sua vida!

 

Erro #7 – Não fazer planilhas

Isso pode até parecer bizarro, mas um bom fotógrafo faz planilhas, sejam no papel ou digital. Elas podem ser feitas no Excel, no Numbers ou no Google Docs. Eu prefiro o último.

Isso porque eu estou pressupondo que você é um empreendedor, um profissional liberal. Muitos acham que, por ser “liberal”, posso fazer de qualquer jeitos. Mas metrificar é importante, e eu demorei uns 5 anos para entender isso.

 

Erros de não fazer planilhas

Por exemplo, como você vai saber se sua empresa está em ascensão ou queda? Qual foi o melhor mês do ano? Esse ano foi melhor que o último? Isso tudo é importante para se organizar.

Muitos dizem : “Ahhhh mas eu estou apenas no começo!” Então agora é a melhor hora de começar a criar planilhas de custos, de orçamentos x conversões (ou seja, quantos orçamentos você recebe por dia/semana/mês/ano e quantos convertem – fecham contrato com você)

 

Dica #8 – Vá em Congressos de Fotografia

Esse último acho que é mais uma dica mesmo que um erro, porque eu sempre tive – desde o início – o conceito da importância de investir em conhecimento.

Por exemplo, fiz muitos Workshops Presenciais e Cursos On-line (assim consegui obter a parte técnica com maestria).

A vantagem dos Workshops Presenciais é que você vê, na prática, todo o processo criativo da pessoa. Sentimos o “clima” do Estúdio, de onde ela mora, e muitas vezes acabamos tendo a oportunidade de fazer um happy hour – onde surgem novas redes de Networking e Insights. Isso dá um rumo muito bom no começo, e me ajudou muito a fazer ajustes finos depois de um tempo. Pode ser perigoso, pois temos a tendência de copiar.

Erros de não ir em congressos
Meu amigo, Nei Bernardes, palestrando no Wedding Brasil 2018

Já os Cursos On-line são os mais vantajosos, pois tem um valor baixo e você pode ver e rever várias vezes, fazer perguntas, participar de um grupo muito maior de alunos. Também, é possível aprender no seu próprio ritmo e horários – o que eventos presenciais não permitem. Assistir aulas em casa sempre é mais confortável. Para isso, recomendo este curso aqui!

Mas Klarck, não ia falar sobre congresso de fotografia?

Calma, vou chegar lá!

Enquanto os cursos servem para te ensinar a parte técnica (equipamentos, lentes, truques) os congressos servem para te inspirar (dar novas ideias, trocar contatos)

Então, se você está começando, faça cursos. Se já tem experiência, vá em congressos.

Vou te falar alguns dos mais conhecidos, não fui em todos ainda, então não tem como qualificar cada um.  Mas são alguns congressos importantes no País

  • Wedding Brasil
  • Photoweek
  • Fotoconhecimento
  • PIC
  • FHOX on the road
  • Alasul
  • Parati em foco
  • Lume Newborn
  • Congresso Capixaba de Fotografia
  • Newborn Lovers

 

E aí, gostou do conteúdo? Não esquece de deixar seu comentário ali embaixo!

 

 

Faculdade De Fotografia – Vale A Pena

Antes de te responder, deixa eu te fazer outra pergunta: Você quer ser fotógrafo ou diretor de fotografia?

Você quer ser fotógrafo ou diretor de fotografia?

 

Vejo muita gente empolgada em fazer faculdade de fotografia para se tornar um fotógrafo. Será que essa é a melhor decisão?

Na verdade, muitas pessoas confundem o trabalho de um diretor de fotografia com o trabalho de um fotógrafo. São coisas completamente diferentes – até porque, na grande maioria, diretores de fotografia não trabalham com fotografia, e sim com video!

Então, antes de te responder, você vai precisar entender a diferença.

 

Diretor de fotografia:

diretor de fotografia é o técnico de cinema responsável pela forma como o roteiro cinematográfico é organizado para o video, na forma de fotografia. A produção é feita segundo as suas orientações técnicas.

 

 

O diretor de fotografia é o técnico que vai decidir, num filme, onde as luzes serão posicionadas (e qual a temperatura de cor delas). Questões técnicas, como a lente, a câmera e o ângulo utilizado por elas também são decisões deste profissional.

faculdade de fotografia

Geralmente o diretor de fotografia também cuida do enquadramento, e muitas vezes comanda equipes gigantescas! Figurinista, iluminador, maquiador, operador de câmera e outros estão sob a supervisão deste.

Alguns exemplos de diretores de fotografia são: Emmanuel Lubezki (Birdman, Gravidade e O Regresso), Robert Richardson (Django Livre, Ilha do Medo e Bastardos Inglórios) e Bruno Delbonel (O Fabuloso Destino de Amélie Poulain e Inside Llewyn Davis: Balada de um Homem Comum)

 

Nesse caso, é super recomendado que você faça uma faculdade de fotografia!

 

Isso porque, primeiramente, sem um diploma você provavelmente não vai ser contratado para uma produção maior. Ou você acha que a Marvel, a Rede Globo ou a Disney contratam Freelancer? Grandes empresas vão exigir um (ou mais) diplomas. Nesse caso, também sugiro que você seja fluente no Inglês, ou muitas portas poderão se fechar.

Sem contar que, por conta própria, vai ser muito difícil aprender tudo que um Diretor de Fotografia tem de saber.

 

 

Com certeza você também vai gostar:

 

 

Fotógrafo

Fotógrafo é o profissional que elabora imagens estáticas ou dinâmicas em diversos campos, como: eventos sociais, moda, esporte, guerra e fotojornalismo.

Se você acompanha nosso Blog, acredito que seu objetivo é ser um fotógrafo: assim como eu sou. Quem gosta de tirar fotografias, é o fotógrafo.

Nesse caso, você provavelmente se decepcionaria extremamente com uma faculdade de fotografia. Isso porque, os alunos deste curso aprendem muito mais sobre filmes do que sobre fotografias de casamento, guerra, moda ou produtos, por exemplo.

É claro que quem cursa faculdade de fotografia também é capaz de criar boas imagens, mas esse não é o foco da faculdade!

Por exemplo, você sabia que uma pessoa formada em arquitetura pode dar aula de matemática no Ensino Fundamental? Mas, da mesma forma, esse não é o objetivo!

faculdade de fotografia

Existem diversas áreas que um fotógrafo pode atuar, como por exemplo:

  • Estúdio Fotográfico: Fotografando ensaios de Pessoas e Produtos, Editoriais de Moda
  • Banco de Imagens: Vendendo de fotografias de paisagens, pessoas, objetos e animais
  • Eventos Sociais: Cobrindo casamentos, aniversários, eventos empresariais
  • Agência de Marketing: Auxiliando nas campanhas publicitárias
  • Papparazzi: Registrando e vendendo para revistas detalhes da vida dos famosos
  • Fotojornalismo: Estando a frente das noticias, registrando e vendendo para jornais, revistas e sites estas imagens
  • Esportes: Alguns fotógrafos registram eventos como Copa do Mundo, Olimpíadas, Maratonas e Campeonatos
  • Secretariado: Acompanhando, como um funcionário, um artista ou político famoso, registrando os eventos de sua agenda.
  • Arquitetura: Auxiliando Corretores, Incorporadoras e Construtoras a divulgar imóveis e lançamentos

 

 

[mc4wp_form id=”1058″]

 

 

Lógico que aqui se encontram apenas algumas das áreas. São muitas as opções!

Vão me contratar sem Diploma?

 

A resposta, curta e sincera é: SIM! Em todos esses anos, jamais alguém me perguntou por currículos ou diplomas. O que vale é a sua fotografia.

faculdade de fotografia

Se suas fotos forem incríveis, vai ser o suficiente para você ser contratado. Ou você imagina uma noiva abrindo um e-mail e lendo currículos de fotógrafos?

Seu portfólio, ou seja, seu trabalho é seu diploma.

 

Então, como aprender fotografia?

Existem muitos métodos de aprender fotografia. O melhor é praticar. Treinando seu olhar, se inspirando e fotografando pelo menos 30 minutos por dia você vai se transformar num fotógrafo.

Eu tenho algumas sugestões que podem ajudar você a começar a aprender fotografia:

  • Videos no Youtube: Alguns canais dão dicas gratuitas de fotografia de um modo bem divertido. Sugestão de canal: Clique aqui
  • Livros: Ler vai ajudar você a evoluir pelo menos 4x mais rapidamente. Sugestão de leitura: Clique aqui!
  • Sites: O Blog do Lansing é, sem dúvida, o mais completo portal de fotografia do Brasil hoje! Continue no Blog para aprender mais.
  • Cursos: O jeito mais rápido e funcional de aprender fotografia. Minha sugestão: Clique aqui!

 

Mas, se você deseja realmente se tornar um fotógrafo, sem gastar muito e sem perder tempo, sua melhor opção é clicar aqui!

 

E você? Quer ser fotógrafo ou diretor de fotografia? Ainda pensa em fazer uma faculdade? Deixa seu feedback nos comentários, é importante!

Casal viaja 3 Anos Fotografando Os Lugares Mais Incríveis

Um casal de artistas americanos vendeu tudo que tinha e estão viajando desde 2015, e já totalizaram mais de 384 mil kilômetros! E as fotos que fizeram em cada canto do mundo é de tirar o fôlego!

“Nós calculamos cada quilômetro que viajamos, e já totalizou 384.400, que seria a distância de ir a lua”

Um casal americano vendeu tudo que tinha e embarcaram para a Europa. Sem saber exatamente para onde ir e quanto tempo ficariam fora, já viajam tem três anos pelo mundo. Conheceram lugares espetaculares e criaram uma obra de arte para comemorar isso: seu instagram @howfarfromhome. O casal divulgou seu trabalho na Bored Panda e estão atualmente na Ilha Gozo, em Malta.
Suas fotos são de tirar o fôlego e recomendo acessar e seguir sua conta no insta.

Separei algumas imagens incríveis, se liga só:

#1 Lago di Braies, Itália

we-count-how-far-we-have-traveled-turns-out-weve-just-reached-the-moon-5aeb2059d5598__880

#2 Antelope Canyon, EUA

we-count-how-far-we-have-traveled-turns-out-weve-just-reached-the-moon-5aeb20662fb13__880

#3 Taj Mahal, India

we-count-how-far-we-have-traveled-turns-out-weve-just-reached-the-moon-5aedaf285d024__880

#4 – Algar de Benagil, Portugal

we-count-how-far-we-have-traveled-turns-out-weve-just-reached-the-moon-5aeb207abb7dc__880

#5 – Solta, Croácia

we-count-how-far-we-have-traveled-turns-out-weve-just-reached-the-moon-5aedae943b65c__880

 

 

Quer se inspirar mais? Continue no Blog:

 

 

 

#6 – Cataratas Victoria – Zâmbia

we-count-how-far-we-have-traveled-turns-out-weve-just-reached-the-moon-5aeb207255ad1__880

#7 – Lakselv – Noruéga

we-count-how-far-we-have-traveled-turns-out-weve-just-reached-the-moon-5aeb205797904__8801

 

[mc4wp_form id=”1058″]

 

#8 – Lisboa – Portugal

we-count-how-far-we-have-traveled-turns-out-weve-just-reached-the-moon-5aedafd9542f8__880

#9 – Jyväskylä – Finlândia

we-count-how-far-we-have-traveled-turns-out-weve-just-reached-the-moon-5aedaf031c583__880

#10 – Pedra Crystal – Ilhas Maurício

we-count-how-far-we-have-traveled-turns-out-weve-just-reached-the-moon-5aeb2074dd6dc__880

#11 – Praga, República Tcheca

we-count-how-far-we-have-traveled-turns-out-weve-just-reached-the-moon-5aedaead08438__880

#12 – Neuschwanstein – Alemanha

we-count-how-far-we-have-traveled-turns-out-weve-just-reached-the-moon-5aeb206dca3c4__880

#13 – Copenhagen – Dinamarca

we-count-how-far-we-have-traveled-turns-out-weve-just-reached-the-moon-5aedaed8a5f30__880

#14 – Landmannalaugar – Islândia

we-count-how-far-we-have-traveled-turns-out-weve-just-reached-the-moon-5aeb2076d42b5__880

#15 – Bagkok – Tailandia

we-count-how-far-we-have-traveled-turns-out-weve-just-reached-the-moon-5aeb0b3e681e6__880

#16 – Helsink, Finlândia

E você, qual lugar gostaria de conhecer? Deixe nos comentários o número da sua preferida!

Filme – 10 Indispensáveis Para Quem Ama Fotografia

Que tal aprender sobre fotografia de qualidade sentado no sofá? Nossa redação separou 10 filmes que vão tirar teu ar e te fazer querer sair fotografando por aí.

filme- blog lansing

Uma lista de filmes para se entreter e aprender!

Você que vive da fotografia, precisa ter em mente a importância das referências de outras áreas, entre elas, a do cinema.

 

Para ajudar você a escolher os melhores filmes em questões de direção fotográfica, foi feita uma enquete no grupo Wedding Brasil, que une mais de 30 mil fotógrafos, para saber quais são os filmes que mais o agradaram tratando-se de fotografia. Confira abaixo os 10 mais citados e não deixe de os assistir!

 

O Grande Hotel Budapeste (2014)

01

O filme com direção e roteiro de Wes Anderson, se passa entre a primeira e a segunda guerra mundial, onde o famoso gerente do Grande Hotel Budapeste conhece um jovem empregado do estabelecimento e eles acabam virando melhores amigos.

 

Juntos, descobrem o roubo de um quadro famoso do Renascimento, a batalha de uma família pela fortuna e as primeiras transformações históricas do século XX. O filme teve 9 indicações ao Oscar em 2015, entre elas de Melhor Fotografia.

 

Wes Anderson é conhecido pela sua estética impecável em suas obras audiovisuais, ele e sua equipe têm o dom para escolher a cor, ângulo, enquadramento certo para cada cena, cada momento, cada frame.

 

Wes usa e abusa de cores pastéis com uma pegada bem vintage, o cenário sempre é bem estruturado e colorido, a fotografia é simétrica e com ares minimalistas, e um de seus enquadramentos favoritos seria o plongée (ou seja, a câmera filma o objeto de cima para baixo).

[mc4wp_form id=”1058″]

O Regresso (2015)

02

O longa é baseado na história real de Hugh Glass e se propõe a contar as desventuras deste homem que sobreviveu ferido e perseguido por índios no inverno congelante do norte dos EUA.

 

Um filme que foi notoriamente gravado em condições longas e difíceis. Para o diretor de fotografia Emmanuel “Chivo” Lubezki, as condições foram necessárias para comunicar a experiência: “Nós queríamos fazer um filme que era imersivo e visceral. A ideia de usar luz natural veio porque queríamos que o público sentisse, eu espero, que as coisas estavam acontecendo de verdade”.

 

Emmanuel já gravou sob tais condições anteriormente, mas esta foi a primeira vez em que ele não utilizou luz artificial, exceto por um momento em que o fogo de uma sequência no filme estava se comportando de forma inesperada, e eles precisaram recorrer a algumas lâmpadas para criar a luz proveniente do fogo.

 

E durante todo o filme, Emmanuel utilizou apenas lentes angulares, de 12 a 21mm, justamente para causar essa sensação de imersão para o espectador e aproximar o público da história.

A Vida Secreta de Walter Mitty (2013)

03

Baseado no conto de James Thurber publicado em 1939 – e que também já teve uma versão para os cinemas em 1947, com o título “O Homem de 8 Vidas” – o longa é mais uma empreitada de Ben Stiller como diretor.

 

O visual da obra chama a atenção, cenas tão belas que chegam a ser impactantes e são enaltecidas pelas interessantes soluções que Stiller encontra, como o bom uso de câmera lenta.

 

Interpretado por Ben Stiller, Walter Mitty é um homem tímido que vive sua vida limitada e sem aventuras, trabalha no setor de fotografias da revista “Life”, onde sempre recebe as imagens tiradas por um radical freelancer que dedica sua vida viajando e fotografando e diante de tantas incríveis jornadas que Walter vê através das fotos só lhe resta sonhar, sonhar acordado e é justamente isso o que ele faz, mesmo enquanto conversa com os outros, sonha sobre como seria sua vida se ele tivesse coragem.

 

Quer continuar se inspirando?

 

 

O Fabuloso Destino de Amelie Poulain (2001)

04

O filme dirigido por JeanPierre Jeunet, tem como diretor de fotografia Bruno DelBonnel. O trabalho meticuloso do diretor Jeunet nessa obra, fez dele um ícone de fotografia e direção de arte. Para ele, a realidade já é muito cruel, o que faz com que busque criar imagens fantasiosas sobre a própria realidade.

 

A peculiaridade na escolha e no uso das cores dá um ar poético e melancólico ao filme, com sensibilidade e ao mesmo tempo intensidade de todas elas, que estão no cenário, figurino, filtros de lente e também foram utilizadas na edição.

 

O filme conta a história da doce e ingênua Amelie, uma menina que cresceu sob os cuidados de pais superprotetores que a proporcionaram uma infância solitária. Após certa idade Amelie se muda para Paris, onde encontra uma caixa antiga escondida em seu apartamento e resolve devolvê-la ao dono, decidindo que se o dono da caixa ficasse feliz ela sempre iria ajudar as pessoas.

 

Os personagens principais são caricatos e fora do comum, parecendo ter saído de um livro de histórias infantis e suas histórias entram em foco ao longo do filme, todos recebem algum tipo de ajuda da protagonista, mas o que não era esperado era que ela encontrasse alguém para deixa-la feliz, e começa uma jornada romântica e sensível para encontrar um rapaz misterioso pelo qual ela se apaixonou.

A Lista de Schindler (1993)

05

O longa narra a história de Oskar Schinder, o homem responsável por salvar mais de mil judeus da inevitável morte no Holocausto. Stevel Spielbeg é o responsável pelo filme que é quase todo em preto e branco. Spielberg disse que queria trazer uma atmosfera de documentário e que a falta de cor era a melhor representação para a época.

 

“Para mim a cor é o símbolo da vida. Por isso um filme sobre o Holocausto tinha que ser em preto e branco”. Além disso, Spielberg conta com a iluminação perfeita do diretor de fotografia Janusz Kaminski.

 

Birdman (2015)

06

O longa traz a história de Riggan Thomson, ator atormentado pelo único papel de sucesso de seu currículo, o super-herói Birdman, enquanto busca reconhecimento pelo seu novo sério projeto da Broadway.

 

O diretor de fotografia Emmanuel Lubezki, levou o Oscar pela Melhor Fotografia.

 

 

Into the Wild (2007)

07

Inspirado no livro homônimo, escrito por Jon Krakauer, sobre a vida de Chris McCandless, o longa conta a história do jovem que aos 22 anos largou sua estável vida de bom aluno e classe média-alta para partir em busca de liberdade e aventura. Deixou para trás também a sua própria identidade, rebatizando-se Alexander Supertramp.

 

Com um destino em sua mente, o longínquo e desabitado Alasca, ele foi cruzando o continente e as vidas de muitas pessoas que lhe davam carona, casa ou um emprego temporário.

 

É imprescindível a participação do diretor de fotografia Eric Gautier (Diários de Motocicleta), que passa o filme equilibrando a importância do protagonista com as paisagens ao seu redor.

 

“Você não fotografa com a sua câmera, você fotografa com toda a sua cultura!”Sebastião Salgado

 

A Invenção Hugo Cabret (2011)

08

Ambientado em Paris nos anos 30, o filme traz a história de Hugo Cabret, um órfão que vive escondido nas paredes da estação de trem. Ele guarda consigo um robô quebrado, deixado por seu pai.

 

Um dia, ao fugir do inspetor, ele conhece Isabelle, uma jovem com quem faz amizade. Logo Hugo descobre que ela tem uma chave com o fecho em forma de coração, exatamente do mesmo tamanho da fechadura existente no robô. O robô volta então a funcionar, levando a dupla a tentar resolver um mistério mágico.

 

A Invenção de Hugo Cabret faturou os principais prêmios técnicos do Oscar.

 

Com uma fotografia primorosa, dourada e cheia de luz (recriando bem a Paris da época), alguns movimentos de câmera improváveis surgem a todo instante, revelando cenários de tirar o fôlego, que são valorizados com a ótima montagem.

Moonrise Kingdom (2012)

09

Situado nos anos 1960, com roteiro de Wes Anderson e Roman Coppola, o filme conta a história de um jovem casal que se apaixona e decide fugir. Os líderes da cidade começam a disseminar a ideia de que eles foram sequestrados e iniciam uma busca.

 

O diretor fotográfico Robert Yeoman escolheu cores pastéis, paisagens que poderiam ser coloridas, mas tornam-se parte do imaginário dos protagonistas, que enxergam as cores do mundo em alguns ambientes de forma bastante destacada – mas não veem tais cores como adornos ou possível causadoras de sensações.

 

As cores apenas estão lá; os ângulos, precisos e retos, em longos e elaborados planos, também ilustram a personalidade de seus protagonistas; assim como o comportamento dos adultos, infantilizados – ou apenas expondo seus verdadeiros pensamentos.

Gravidade (2013)

10

Emmanuel Lubezki, responsável pela fotografia do filme, grande vencedor do maior prêmio do cinema americano em 2014, levou para os cinemas do mundo inteiro uma nova e inspiradora visão da imensidão em que nosso planeta flutua, um plano de fundo cheio de beleza e detalhes contrastante para a frieza da história e agonia da personagem vivida por Sandra Bullock.

 

Conquistou com “Gravidade” seu primeiro Oscar de melhor fotografia, sendo sua 6ª indicação. O filme é a sexta colaboração entre Lubezki e Alfonso Cuarón no cinema e conta a trajetória de uma astronauta que fica à deriva no espaço.

 

Possui um enredo direto, mas se destacou por conta da qualidade estética e técnica com que foi feito. Para quem assiste o filme, principalmente nas telas maiores, a sensação é de que o diretor foi até o espaço com todo o seu equipamento fotográfico para captar as melhores imagens.

 

E você, já viu todos? Qual ficou com vontade de ver?

Esse post foi baseado nos nossos parceiros do Blog Wedding Brasil !